sábado, 28 de abril de 2018

Carta de um homem arrependido.



Deveria ter escrito esta carta mais cedo, enquanto o teu coração ainda me pertencia, mas sempre fui demasiado mesquinho e egoísta, deixei que a arrogância e o orgulho tomassem conta de mim, arrancando dos meus braços a mulher da minha vida.

Deveria ter escrito esta carta, enquanto dormias ao meu lado, e não agora que o teu corpo está protegido por outro corpo que não o meu.

Deveria ter escrito esta carta, enquanto acordavas e te emaranhavas nos nossos lençóis, despenteada e com um sorriso rasgado, não agora que te emaranhas nos lençóis de outro e sorris de esguelha como quem diz estou feliz por te ter encontrado.

Mas fui fraco e leviano, ao invés de estar aqui a escrever-te deveria estar a bater com a cabeça na parede, vezes suficientes para apagar-te da minha mente. Tive o mundo nas minhas mãos e deixei-o escapar. Mereces melhor do que eu, mereces alguém te ame com o corpo, a alma e o coração, não um idiota qualquer que esperou encontrar-te feliz para perceber que a felicidade eras tu.

Onde estava com a cabeça quando te mandei embora? Onde estava com a cabeça quando disse que não te amava? Eu deveria ter largado o tabaco, o álcool e as drogas, e deveria ter-me viciado somente em ti, porque olha para a minha decadência agora... Da canábis, da ecstasy à cocaína, tu foste a pior, eu morreria com uma overdose de ti e sobreviveria para manter o meu vicio insatisfeito.

Escrevo para dizer-te que deveria ter tatuado o teu nome na minha pele, deveria ter-te gravado no meu corpo com a mesma intensidade que te gravei no meu coração. Escrevo para dizer-te que sinto falta das tardes na praia e que o teu corpo bronzeado era uma visão do paraíso.

Escrevo para pedir-te desculpa pela fumaça do cigarro, que tu evitavas e eu não conseguia largar. Escrevo para pedir-te desculpa por não ter-te ensinado a jogar playstation, e por todas as vezes em que atirei o comando contra a TV. Escrevo para pedir-te desculpa por ter-te mandado embora.

Escrevo para dizer-te que sei que o teu primeiro amor foi o James Dean, numa altura em que nem tencionavas conhecer-me, e que ouvir Lana del Rey ajuda a acalmar-te os nervos. Escrevo para dizer-te que a casa cheirava a rosas quando cá estavas, e agora tudo o que sobra é um odor a solidão e a demência que se vai entranhando até nas paredes. Escrevo para dizer-te que sei que o teu filme preferido é o “P.S.I Love You”, porque o assistimos umas dez vezes, e sei que adoras finais felizes, foi por isso que seguiste em frente sem mim.

Escrevo para dizer-te que continuo a sonhar com a tua volta, e que os teus olhos são lindos, e mais lindos ainda quando no passar do inverno para a primavera ficam verdes claros, e que amo o teu cabelo longo e a forma como os teus fios caem sobre os ombros.

Escrevo para dizer-te o quão maravilhosa és para mim. Talvez tu nem leias e desprezes as minhas palavras, é só a escrita atrapalhada de um homem que se arrependeu, mas sempre será apaixonado por ti.
Sorte daquele que te tem agora… 

Com amor,

O único que te perdeu.

2 comentários:

2018 ® Letícia Brito. Com tecnologia do Blogger.