sábado, 9 de junho de 2018

A mulher que eu já não conheço


Querias desesperadamente mudar o mundo!

Não suportavas as injustiças, não conseguias ver uma discussão na rua que já querias aplacar todos ao teu redor, não podias ver um mendigo com uma criança nos braços, que todo o teu dinheiro lhe deixavas sem tampouco ponderar. 

Eu admirava-te. Admirava a tua força, a tua coragem, a tua resiliência. Admirava a capacidade que tinhas em acreditar em dias melhores, em justiça e em paz. Abominavas a guerra. Eras feminista. Não permitias que nenhuma mulher fosse insultada ou assediada na tua presença. 

Gostavas de causas humanitárias. Gostavas de ajudar o próximo. Querias cuidar de todos. 

Querias desesperadamente mudar o mundo. Foste esquecendo a vida dentro das nossas quatro paredes. Nós não existíamos, havia sempre alguém mais necessitado de carinho, alguém a quem a fome precisava ser saciada, alguma marcha a favor dos direitos humanos na qual devias participar. Deixaste de viver para ti. O mundo precisava de ti. Tu não precisavas de mais nada. 

Deixamos de conversar. Mesmo quando dormíamos lado a lado, eu sentia um vazio enorme no meu peito, e nem todo o calor do teu corpo aquecia o que em mim, tu havias gelado. Deixaste de sonhar. De fazer planos. Nunca mais falaste na aliança. Nunca mais pensaste em crianças. 

Tínhamos um jardim enorme, onde eu comecei a plantar a solidão e a tua ausência. Tu deixaste de regar o nosso jardim. 

Um dia, fizeste as malas. Disseste algumas palavras, não me recordo delas sequer. Irias partir em missão. Não sei se ficaste de voltar, mas nunca mais te vi chegar. Nunca mais. Deves ter dito que já não me amavas, antes de fechar a porta, mas eu só conseguia ouvir o meu coração a partir-se, e esse som abafou todo o resto. Deixei-te partir. 

Não lutei. Não chorei. Afinal, eras apenas uma pessoa que eu costumava conhecer, tornaste-te a mulher que eu já não conheço.

Às vezes sinto saudades tuas, e da tua energia, da tua vontade desesperada de mudar. Não foste capaz de exterminar a fome do mundo, mas deixaste o meu peito morrer pela fome de ti.

Letícia Brito

2 comentários:

  1. Belo texto, cara amiga. Bate fundo no íntimo dentro de nós.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Jorge! Que bom que a minha escrita vai surtindo esses efeitos em quem me lê!

      Eliminar

2018 ® Letícia Brito. Com tecnologia do Blogger.