sábado, 14 de maio de 2016

A Rapariga no Comboio - Paula Hawkins

A Rapariga no Comboio, 2015, Topseller
O êxito de vendas mais rápido de sempre. O livro que vai mudar para sempre o modo como vemos a vida dos outros.
Sinopse
Todos os dias, Rachel apanha o comboio...
No caminho para o trabalho, ela observa sempre as mesmas casas durante a sua viagem. Numa das casas ela observa sempre o mesmo casal, ao qual ela atribui nomes e vidas imaginárias. Aos olhos de Rachel, o casal tem uma vida perfeita, quase igual à que ela perdeu recentemente.
Até que um dia...
Rachel assiste a algo errado com o casal... É uma imagem rápida, mas suficiente para a deixar perturbada. Não querendo guardar segredo do que viu, Rachel fala com a polícia. A partir daqui, ela torna-se parte integrante de uma sucessão vertiginosa de acontecimentos, afetando as vidas de todos os envolvidos.
De leitura compulsiva, este é o thriller do momento, absorvente, perturbador e arrepiante.
Opinião 

A rapariga no comboio é um thriller apaixonante, que nos envolve logo nas primeiras páginas pela caracterização psicológica das personagens, tão bem construídas. Esta história que conquistou milhões de leitores pelo mundo e que já se encontra na sua 11ª edição, publicada em Portugal pela Topseller - a quem endereço os meus agradecimentos por me ter dado a possibilidade de ler e falar sobre esta obra aqui no blogue -, será adaptada brevemente para as grandes telas do cinema.
Três mulheres, três homens, um assassinato e um comboio são os ingredientes principais deste thriller.
Rachel é a personagem principal. Uma alcoólica incorrigível, desempregada, para quem é difícil aceitar que foi traída e trocada por outra mulher, que não consegue avançar com a própria vida e que continua a perseguir o ex-marido.
Megan é uma mulher inconstante, insatisfeita por natureza. Tem, aparentemente, o melhor marido do mundo, mas isso não lhe basta. Vai somando aventuras e casos extra-conjugais. Esconde um grande segredo que não a deixa dormir. Um dia, desaparece e ninguém sabe o que lhe aconteceu.
Anna é a mulher com quem Tom manteve um caso amoroso, quando ainda era casado com Rachel. É uma mulher insegura e assustada pela presença de Rachel na vida do marido, mesmo após a separaçao. Dá muito valor à família que formou. Até onde será capaz de ir para a preservar?
Tom é o ex-marido de Rachel, e atual marido de Anna e pai da sua filha. Tenta apaziguar os ânimos, descansar Anna em relação a Rachel, e acudir a esta quando bebe demais e faz coisas que não deve. Está sempre a dizer a Rachel para os deixar em paz, e seguir com a sua vida.
Scott é o marido de Megan, um marido carinhoso, preocupado, talvez um pouco possessivo mas que parece amar Megan. Vai ser o principal suspeito após o desaparecimento da sua esposa.
Kamal é o psicólogo que Megan consulta, e com quem vai ter um caso. No início as consultas, e os encontros amorosos, ajudam-na mas, quando ele se recusa a continuar a relação, ela não vai aceitar com facilidade. É mais um dos suspeitos, mas acaba por ser libertado por falta de provas. Mais tarde vai ter Rachel como cliente.
Contada na primeira pessoa pelas três personagens femininas, totalmente distintas, a frágil Rachel, a instável Megan e a insegura, mas perfeita Anna.
Os diálogos e as descrições, de cortar a respiração, de tão intensos e detalhados que são, levam-nos a desconfiar de todas as personagens ao longo da narrativa.
Esta obra vai ao âmago das relações humanas, e coloca em cima da mesa temas como a confiança, e o seu abuso na manipulação das fraquezas dos outros.
Ninguém é perfeito e a história numa abordagem nua e crua, mostra-nos isso, todos temos um passado, alguns não tão bonitos assim, somos assombrados por memórias e chego aqui ao cerne da grande questão que ecoa na mente do leitor, ao longo de toda a narrativa, «somos capazes de matar?, até que ponto o desespero, o amor ou a raiva nos podem levar a ser tão insensíveis ao nosso próximo?»
Sem dúvida que o mote dado na apresentação do livro é real, o enredo altera-nos a forma de olhar a vida dos outros. A forma como vislumbramos a vida alheia como se sempre fosse mais bonita, até, que a nossa, a forma como romantizamos e embelezamos uma ficção criada por nós mesmos. Por certo, a nossa visão em relação a tudo o que nos rodeia, será alterada.

Sobre a autora

Paula Hawkins, Imagem Topseller
Paula Hawkins foi jornalista na área financeira durante quinze anos, antes de se dedicar inteiramente à escrita de ficção. Nascida e criada no Zimbabué, mudou-se para Londres em 1989, onde vive atualmente.
A Rapariga no Comboio é a sua primeira obra, que imediatamente se tornou um verdadeiro fenómeno mundial, com mais de 10 milhões de livros vendidos em todo o mundo.
O filme, produzido pela Dreamworks, tem data de estreia marcada para outubro de 2016.
A Topseller irá publicar a sua próxima obra, que já está a ser escrita, em 2017.

Sem comentários:

Enviar um comentário

2018 ® Letícia Brito. Com tecnologia do Blogger.