quinta-feira, 21 de abril de 2016

Um por todos, todos por África


As crises humanitárias em África são uma realidade triste e recorrente.

É lamentável que em tantos anos os esforços para ajudar aqueles que mais necessitam ainda não sejam suficientes.
Infelizmente os mais poderosos continuam a olhar somente para os seus próprios umbigos alheios às desgraças que vão acontecendo ao seu redor.
Pergunto continuamente, será que eles não vêem? Ou fingem não ver? Porque pior cego é aquele que fecha os olhos perante as verdades que dançam nuas na sua frente.
Já em 1998 quando o célebre José Saramago recebeu o prémio Nobel da Literatura e proferiu o seu discurso, este fez ver que em 50 anos os governos nada tinham feito pelos direitos humanos e as suas preocupações sempre estiveram voltadas para os avanços científicos e tecnológicos e desligados das crises que se iam sucedendo em África. Uma frase deste que me marcou profundamente chega-se mais facilmente a Marte neste tempo do que ao nosso próprio semelhante.
Treze anos depois, um relatório da Unicef sobre a resposta humanitária a estes países revela que foram entregues mais de 60.000 toneladas de bens de primeira necessidade, foram tratadas perto de 350.000 crianças com mal nutrição severa, foram vacinadas 7,9 milhões de crianças com sarampo e fornecida água potável a 3,2 milhões de pessoas na região do Corno de África.
No entanto, em 2012, mais de 8 milhões de pessoas precisaram de assistência urgente. A seca mata crianças e animais morrem a definhar por alimento, 1800 pessoas chegam por dia aos campos de refugiados e os mortos são enterrados em buracos sem indicação de cemitério.
E mais uma vez volto a questionar-me porque é que o mundo está a caminhar a passos exageradamente largos para a destruição e aqueles que podem e devem ajudar os mais necessitados continuam a dar mais importância ao futuro da humanidade, do que à própria humanidade.
E o que é que nós vamos fazer? Fechar os olhos para estes problemas tal como eles fazem? Ou tomar a palavra e a iniciativa tal como disse Saramago e lutar por um mundo melhor?
Um por todos, todos por África.
Letícia Brito

Sem comentários:

Enviar um comentário